Nesta edição vamos mostrar o passo a passo do processo da construção em EPS que saiu na revista Equipe de Obra da edição 107 – Maio/2017, e também vamos citar alguns mitos e verdades sobre este sistema construtivo, fique de olho nesta matéria que há dica importantes de uma nova forma de construir.

O EPS é um sistema construtivo integrados a malhas de aço galvanizado, ele pode substituir a alvenaria estrutural ou de vedação.

http://lauronewsonline.com/portal/noticia.php?id=2540

Vamos listar aqui algumas vantagens e mitos e verdades sobre o EPS e o que, o mercado coloca sobre a construção em EPS:

VANTAGENS:

  • Construção até 40% mais rápido que a alvenaria convencional;
  • Economia de água durante a construção chega a quase 60%;
  • Baixo peso, reduzindo o custo das fundações com concreto e ferragens;
  • Resistência mecânica e química;
  • Baixa absorção de água;
  • Facilidade de manuseio em obra, com grande versatilidade e precisão;
  • Resistência a compressão;
  • Resistência ao envelhecimento. O EPS não apodrece nem ganha bolor, não é solúvel em água nem liberta substancias para o ambiente.
  • Baixa condutividade térmica o que ajuda a diminuir o consumo de eletricidade. Para entendimento o EPS é o mesmo material utilizado nos recipientes que mantem alimentos e bebidas gelados;

O EPS é inodoro, não contamina o solo, água e ar e são 100% reaproveitáveis e recicláveis, podendo voltar à condição de matéria-prima. Não gera resíduo de obra.

http://www.lcpconstrucoes.com.br/tecnologia.html

http://www.lcpconstrucoes.com.br/tecnologia.html

 

CUSTOS:

Entre as opções de construção a seco, o EPS é a que apresenta custa mais elevado, em torno de 20% superior a alvenaria, contudo, ressalta-se que pelas suas propriedades funcionais e térmicas esse custo poderá ser revertido em economia durante a obra, com redução de tempo de construção e de consumo de água, e após sua conclusão, com menor gasto de eletricidade.

Mitos x Verdades

Por ser um método não tradicional de construção no Brasil alguns mitos têm se propagado, o que procuramos esclarecer:

Mito: A construção vai pegar fogo:

Verdade: O EPS de classe F não gera combustão e caso exposto a altas temperaturas ele se comprime, evitando assim o risco de incêndio, além de estar em conformidade com as obrigações legais de segurança da obra, (ABNT);

Mito: A construção não é resistente:

Verdade: A parede de EPS pode ser até 30% mais resistente que a parede de tijolo.

Mito: Na produção de EPS é usado o gás CFC:

Verdade: A produção de EPS nunca se utilizou desse gás e seus produtos não geram qualquer dano ao proprietário ou ao meio ambiente;

Mito: As paredes/laje serão ocas;

Verdade: As paredes e laje terão a mesma aparência da alvenaria, quem escolhe o material de preenchimento é o proprietário com auxílio do arquiteto responsável pelo projeto;

Mito: Não conseguirei pendurar nada nas paredes:

Verdade: A resistência da parede de EPS é igual ou até maior ao da alvenaria, possibilitando a instalação de qualquer material desde um simples quadro até uma bancada de granito na cozinha;

Em resumo, a construção com EPS pode ser considerada como umas das opções avançada tecnologicamente, mas pelo custo ligeiramente superior, não se enquadra no mesmo patamar de custo x benefício das construções em steel ou wood frame.

A construção civil dispõe de sistemas e formas de construir que procuram reduzir o tempo de execução de obra. Os painéis monolíticos de EPS (poliestireno expandido) são considerados vantajosas opções. Entre elas: isolamento térmico e acústico em material 100% reciclável, facilidade para fixar as tubulações e de transporte das peças. O Sistema Construtivo Monoforte da Termotécnica é indicado para construção de edifícios, residências, escritórios e indústrias, podendo ser utilizado como alvenaria estrutural ou alvenaria de vedação em todos os tipos de edificações.

Para trabalhar com esse tipo de sistema é necessário treinamento teórico e prático da mão de obra. Abaixo temos algumas imagens com o processo de uma construção em EPS.

Fixação de arranque na fundação.

Montagem dos painéis Monoforte e reforçoes.

Abertura de caminhos com soprador térmico. 

Instalações elétricas e hidráulicas.

Projeção do microconcretos ou argamassa.

Montagem e concretagem da laje.

Montagem do telhado/cobertura.

Acabamento final.

Link da Pini para acessar a matéria original completa: http://equipedeobra.pini.com.br/construcao-reforma/107/artigo380969-1.aspx

Fique de olho em nossas matérias e não perca as próximas publicações.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *